70-410 MB2-703 200-120 70-461 C_TADM51_731 300-320-dumps sy0-401-dumps 210-065-vce pw0-071-practice-test 200-120-ccna-cost c_hanaimp142-dumps 77-427-exam 9l0-066-pdf sale-C9560-503 a00-211-pdf 070-331-dump 352-001-pdf 1z0-047-pdf h12-224-dumps og0-093-dumps-free 400-101-dumps 1v0-605-pdf sale-C2090-620 1z0-242-pdf 70-470-exam 1z0-520-dumps-free-download ex300-exam 070-346-exam 100-101-practice-exam jn0-360-dumps-free-download jn0-692-exam s10-300-dumps 648-232-vce 1z0-599-free-dumps ns0-101-answers 070-412-dump 210-260-vce e20-891-exam sale-70-210 n10-006-pdf ahm-510-certification 220-010-exam 1z0-052-practice-test 700-505-exam sale-C2090-632 700-501-exam n10-005-pdf 70-981-exam 200-101-practice-exam 1z0-060-dumps 642-997-vce C2170-051 C2010-570 3I0-008 ex200-dumps ex200-exam-questions 070-462-dumps 070-680 70-413 C4060-155 OG0-092 1Y0-400 200-101 70-332 98-367 C2020-180 MB6-872 648-232 312-50V8 1Z0-599 220-010 1Z0-052 700-505 C2090-632 700-501 N10-005 70-981 HP2-H35 98-361 070-323 1Z0-876 300-135 1V0-604 642-747 642-742 AX0-100 1Z0-808 OG0-023 ST0-306 C2090-558 JN0-694 S90-09A 300-207 3I0-013 TK0-201 1Z0-061 1Z0-883 HP2-H39 C_TSCM62_66 VCS-273 500-451 TE0-141 500-170 C2020-625 312-75 70-697 HP2-Z34 117-201 C_GRCAC_10 NS0-157 820-427 C_TSCM42_66 300-320-dumps sy0-401-dumps 210-065-vce pw0-071-practice-test 200-120-ccna-cost c_hanaimp142-dumps 77-427-exam 9l0-066-pdf sale-C9560-503 a00-211-pdf 070-331-dump 352-001-pdf 1z0-047-pdf h12-224-dumps og0-093-dumps-free 400-101-dumps 1v0-605-pdf sale-C2090-620 1z0-242-pdf 70-470-exam 1z0-520-dumps-free-download ex300-exam 070-346-exam 100-101-practice-exam jn0-360-dumps-free-download jn0-692-exam s10-300-dumps 648-232-vce 1z0-599-free-dumps ns0-101-answers 070-412-dump 210-260-vce e20-891-exam sale-70-210 n10-006-pdf ahm-510-certification 220-010-exam 1z0-052-practice-test 700-505-exam sale-C2090-632 700-501-exam n10-005-pdf 70-981-exam 200-101-practice-exam 1z0-060-dumps 642-997-vce C2170-051 C2010-570 3I0-008 ex200-dumps ex200-exam-questions 070-462-dumps 70-484 70-498 70-646 98-361 98-366 A30-327 C_BOE_30 C_TSCM42_66 C2010-597 C2020-632 C2020-701 C2020-703 C2040-408 C2040-988 C2070-581 C2150-195 C2160-667 C2180-274 C4040-226 C4090-453 CAS-001 CSSLP C-TERP10-60 E20-018 E20-918 JN0-360 MSC-321 P2080-088 PC0-001 PEGACSA-v6.2 3I0-012 500-051 640-875 640-916 642-427 642-647 642-691 650-663 700-037 70-247
Pubicado em: qua, fev 6th, 2019

Conheça a mulher que salvou 3000 bebês na 2° Guerra Mundial

O maior campo de extermínio dos grupos nazistas, localizado em Auschwitz, foi local de morte de pelo menos 1,1 milhão de pessoas.
Conheça a mulher que salvou 3000 bebês na 2° Guerra Mundial
Duas palavras definem a história de Stanislawa Leszczy?ska: coragem e heroísmo. A mulher que foi instruída a matar bebês pelos nazistas e se recusou, tornou-se marcante por, ao invés disso, salvar mais de 3000 vidas judias, se tornando assim símbolo de resistência e hoje é candidata ao título de santidade pela igreja católica.

O maior campo de extermínio dos grupos nazistas, localizado em Auschwitz, foi local de morte de pelo menos 1,1 milhão de pessoas. Mas não somente disso, foi também o lugar onde muitas outras vidas foram poupadas, graças a uma parteira.

Stanislawa Leszczy?ska, nasceu em Lodz, na Polônia, em 1896. Ela casou-se, teve quatro filhos e estudou para adquirir o certificado de parteira. Até que, em 1939, tudo mudou, e ela viu os nazistas invadindo o seu país. Sua cidade, que tinha o segundo maior número de judeus na Polônia, acabou forçando-a trabalhar para os nazistas em razão de sua função.

Reprodução/ATI

Assustada com toda aquela situação, ela e sua família, incluindo os filhos, resolveram ajudar. Eles contrabandearam documentos falsos e comida para os judeus, fazendo parte da crescente resistência polonesa.

Porém, em 1943, eles foram descobertos por seus esforços a favor dos judeus. Seu marido e o filho mais velho conseguiram escapar, enquanto ela e os filhos mais novos foram presos. Leszczy?ska foi separada dos filhos, que foram encaminhados para diferentes campos para fazer trabalhos forçados. Ela e a filha, uma estudante de medicina foram enviadas para Auschwitz. Seu marido foi morto durante a Revolta de Varsóvia, em 1944, e ela nunca mais o viu.

Ao chegar ao acampamento, Leszczy?ska disse que era parteira, então o médico alemão a colocou para trabalhar na maternidade. Um lugar imundo, e que não era nem de longe um lugar propício para mulheres grávidas, onde muitas delas morreram sem assistência. A grande maioria delas foi simplesmente enviada para as câmaras de gás.

As outras eram enviadas para um quartel do hospital para aguardar o resto da gravidez, mesmo que em condições precárias. “Irmã Klara, foi uma parteira enviada para assassinar as crianças que nasciam ali. Elas eram encarregadas de pegar os recém-nascidos e afogá-los em baldes, muitas das vezes na frente das mães que tinham acabado de dar à luz. Quando Leszczy?ska descobriu que ela deveria fazer o mesmo, imediatamente ela se recusou, e foi levada ao médico supervisor do acampamento, e novamente ela recusou fazer o serviço. Por que eles não a mataram, ninguém sabe”, contou Bronislaw, filho de Leszczy?ska em 1988.

Mesmo com os espancamentos e ameaças, ela simplesmente começou a cuidar das mães e a entregar a elas os seus bebês, mesmo que a maioria deles fosse mortos horas depois, ela trabalhou para salvar máximo de vidas que pôde. E não foi uma tarefa fácil, sem água, suplementos, cobertores e comida.

O legado

Com a ajuda da sua filha e outros prisioneiros, Leszczy?ska disse que entregou cerca de 3.000 bebês durante seus dois anos de recrutamento no campo de Auschwitz. Mesmo com repetidas ordens para matar os bebês, ela se manteve firme, e não acatou a ordem.

Reprodução/ ATI

Nem todos os bebês que nasceram ali foram assassinados imediatamente, a partir de 1943, alguns deles foram dados a casais nazistas como “arianos”. A Alemanha nazista sequestrou cerca de 100.00 crianças polonesas. Leszczy?ska com a ajuda de seus assistentes tatuaram alguns dos bebês com a esperança de que algum dia, eles fossem identificados e reunidos com suas mães.

Seu legado sobreviveu após a libertação de Auschwitz, seja na memória dos sobreviventes, naqueles a quem ela tentou dar um nascimento digno, nas poucas crianças que deixaram o acampamento com vida e no trabalho dos seus filhos que sobreviveram a guerra e se tornaram médicos.

Curta nossa página no facebook: http://www.facebook.com/PortalSaibaMais


Fonte: Fatos Desconhecidos