70-410 MB2-703 200-120 70-461 C_TADM51_731 300-320-dumps sy0-401-dumps 210-065-vce pw0-071-practice-test 200-120-ccna-cost c_hanaimp142-dumps 77-427-exam 9l0-066-pdf sale-C9560-503 a00-211-pdf 070-331-dump 352-001-pdf 1z0-047-pdf h12-224-dumps og0-093-dumps-free 400-101-dumps 1v0-605-pdf sale-C2090-620 1z0-242-pdf 70-470-exam 1z0-520-dumps-free-download ex300-exam 070-346-exam 100-101-practice-exam jn0-360-dumps-free-download jn0-692-exam s10-300-dumps 648-232-vce 1z0-599-free-dumps ns0-101-answers 070-412-dump 210-260-vce e20-891-exam sale-70-210 n10-006-pdf ahm-510-certification 220-010-exam 1z0-052-practice-test 700-505-exam sale-C2090-632 700-501-exam n10-005-pdf 70-981-exam 200-101-practice-exam 1z0-060-dumps 642-997-vce C2170-051 C2010-570 3I0-008 ex200-dumps ex200-exam-questions 070-462-dumps 070-680 70-413 C4060-155 OG0-092 1Y0-400 200-101 70-332 98-367 C2020-180 MB6-872 648-232 312-50V8 1Z0-599 220-010 1Z0-052 700-505 C2090-632 700-501 N10-005 70-981 HP2-H35 98-361 070-323 1Z0-876 300-135 1V0-604 642-747 642-742 AX0-100 1Z0-808 OG0-023 ST0-306 C2090-558 JN0-694 S90-09A 300-207 3I0-013 TK0-201 1Z0-061 1Z0-883 HP2-H39 C_TSCM62_66 VCS-273 500-451 TE0-141 500-170 C2020-625 312-75 70-697 HP2-Z34 117-201 C_GRCAC_10 NS0-157 820-427 C_TSCM42_66 300-320-dumps sy0-401-dumps 210-065-vce pw0-071-practice-test 200-120-ccna-cost c_hanaimp142-dumps 77-427-exam 9l0-066-pdf sale-C9560-503 a00-211-pdf 070-331-dump 352-001-pdf 1z0-047-pdf h12-224-dumps og0-093-dumps-free 400-101-dumps 1v0-605-pdf sale-C2090-620 1z0-242-pdf 70-470-exam 1z0-520-dumps-free-download ex300-exam 070-346-exam 100-101-practice-exam jn0-360-dumps-free-download jn0-692-exam s10-300-dumps 648-232-vce 1z0-599-free-dumps ns0-101-answers 070-412-dump 210-260-vce e20-891-exam sale-70-210 n10-006-pdf ahm-510-certification 220-010-exam 1z0-052-practice-test 700-505-exam sale-C2090-632 700-501-exam n10-005-pdf 70-981-exam 200-101-practice-exam 1z0-060-dumps 642-997-vce C2170-051 C2010-570 3I0-008 ex200-dumps ex200-exam-questions 070-462-dumps 70-484 70-498 70-646 98-361 98-366 A30-327 C_BOE_30 C_TSCM42_66 C2010-597 C2020-632 C2020-701 C2020-703 C2040-408 C2040-988 C2070-581 C2150-195 C2160-667 C2180-274 C4040-226 C4090-453 CAS-001 CSSLP C-TERP10-60 E20-018 E20-918 JN0-360 MSC-321 P2080-088 PC0-001 PEGACSA-v6.2 3I0-012 500-051 640-875 640-916 642-427 642-647 642-691 650-663 700-037 70-247
Pubicado em: sex, fev 15th, 2019

IBGE: Pio IX, Alagoinha e Jaicós serão os maiores produtores de feijão do Piauí em 2019

Resultado de imagem para feijaõ produção

O IBGE apresentou os resultados do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA), com informações mais atuais sobre o prognóstico para a safra 2019. Os resultados apresentados nesta pesquisa tem como referência dados coletados em campo do mês de dezembro/2018 até a primeira quinzena de janeiro/2019. Os dados do LSPA são obtidos através de reunião realizada na Comissão Municipal de Estatística Agropecuária (COMEA) de cada um dos municípios do Estado do Piauí, reunindo representantes do Sindicato dos Trabalhadores Rurais, Secretaria de Agricultura do município, bem como órgãos estaduais ligados à agricultura. Para complementar o levantamento de informações, o IBGE realiza ainda visita aos grandes projetos agrícolas do Estado.

município de Pio IX, apresenta o maior número na colheita de feijão. Segundo dados do IBGE a cidade tem uma produção de 10.800 toneladas, Seguida de Alagoinha e Jaicós.

O prognóstico para a safra agrícola 2019, com base nos dados obtidos no período de referência acima mencionado, aponta que o Piauí apresentará a maior safra da sua história, com um total de 4,52 milhões de toneladas de grãos, um aumento de 7,51% em relação ao obtido em 2018, quando atingiu-se 4,21 milhões de toneladas.

Pelo prognóstico haverá um aumento no volume colhido em 2019 dos seguintes produtos:

– Soja: colheita de 2,56 milhões de toneladas, cerca de 3,91% a mais que a safra de 2018, registrando-se um aumento da área plantada de aproximadamente 6,5%;

– Milho: colheita de 1,73 milhão de toneladas, cerca de 14,10% a mais que a safra de 2018, apesar de ter se verificado uma redução da área plantada de aproximadamente 16%. O aumento da safra é basicamente em razão de um aumento esperado no rendimento da colheita;

– Feijão: colheita de 111,37 mil toneladas, cerca de 18,58% a mais que a safra de 2018, apesar de ter se verificado uma redução da área plantada de aproximadamente 13%. O aumento da safra é basicamente em razão de um aumento esperado no rendimento da colheita;

– Algodão herbáceo: colheita de 34,4 mil toneladas, cerca de 106,15% a mais que na safra de 2018, cujo aumento é devido principalmente a um expressivo crescimento da área plantada, de aproximadamente 86%;

Valor Bruto da Produção Agropecuária

Além disso, o Piauí está entre os nove estados do Brasil que apresentaram crescimento no Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP). De acordo com dados divulgados pelo Ministério da Agricultura, o Piauí fechou 2018 com o VBP igual a R$ 4,562 bilhões. O valor representa um crescimento de 11,5% se comparado a 2017 e 126% em relação a 2016. O VBP no Brasil ficou em R$ 569,8 bilhões, menor do que o valor recorde obtido em 2017, de R$ 582,3 bilhões. As quedas de valor foram observadas em toda a região Sul, parte do Sudeste e alguns estados do Norte e Nordeste.

Queda na produção de arroz

Dentre os principais produtos agrícolas no Piauí, o destaque negativo fica por conta da colheita de arroz, cujo prognóstico para 2019 aponta uma safra de 78,9 mil toneladas, o que representa uma queda de 27,85% na colheita ante o ano de 2018. Esse resultado tem como causa a redução expressiva na área plantada do arroz, que diminuiu cerca de 30% em 2019.

A cultura do arroz tem grande dependência do fornecimento adequado de água para o seu desenvolvimento e, em razão da irregularidade no regime de chuvas no Piauí, os produtores têm reduzido ano após ano a sua produção, optando por plantar outras culturas menos dependentes daquele insumo. No período de 2008 a 2017 a produção de arroz apresentou uma redução de sua área plantada da ordem de 52,32%, passando de 142.629 ha para 68.044 ha. No tocante à quantidade produzida, no período de 2008 a 2017 a queda foi de 52,69%, passando de 224,2 mil toneladas para 106 mil toneladas.

Castanha de caju deve apresentar produção de 24,3 mil toneladas

No que diz respeito às culturas permanentes no Piauí, merece destaque o prognóstico da produção de castanha de caju, que em 2019 deverá apresentar uma produção de 24,3 mil toneladas, com uma queda de 3,40% em relação a 2018. No tocante à área colhida haverá uma redução da ordem de 9,36%.

É importante ressaltar que a produção de castanha de caju no Piauí tem caído sobremaneira em razão da redução sistemática da área plantada, provocada principalmente pelo envelhecimento dos pomares, com a reposição insuficiente de mudas. Em termos de perfil do produtor do caju, percebe-se que eles são de porte médio (100 a 200 hectares) e pequeno (agricultura familiar), com um rendimento médio em torno de 350kg/ha. Com relação aos grandes projetos de produção de caju, estes estão sendo desativados em razão do baixo retorno do investimento, causado principalmente pelo fenômeno climático da seca.

Analisando-se o período de 2008 a 2017, a produção de castanha de caju apresentou uma redução de 57,42% na área colhida e uma redução de 69,58% na quantidade colhida do produto.


Fonte: Rede Piauí de Notícias