Estudante de Medicina Marcos Vitor está foragido há um mês

Desde a decretação da prisão preventiva não houve nenhum contato da defesa de Marcos Vitor.

O caso que chocou Teresina e marcou severamente as vítimas de um crime absurdo, completa, neste domingo (07), exatos 30 dias de impunidade para Marcos Vitor Aguiar Dantas Pereira, de 22 anos, que é acusado de abusar sexualmente de duas irmãs e duas primas. No dia 7 de outubro, o estudante foi oficialmente considerado foragido, após ter sua prisão preventiva decretada pela Justiça. Em decorrência do suspeito possuir visto para os Estados Unidos, a Polícia Civil do Piauí solicitou apoio da Polícia Federal para conseguir capturá-lo.

Atualmente, com a repercussão que o caso tomou, todas as unidades da Polícia Federal nas fronteiras, sejam aéreas ou terrestres, estão comunicadas sobre o mandado de prisão e encontram-se em alerta desde então. Em outubro, o delegado geral da Polícia Civil, Luccy Keiko, fez um apelo à população para o caso de alguém souber do paradeiro de Marcos Vitor. Quem tiver qualquer informação, pode entrar em contato pelo telefone fixo (86) 3216-5225, ou através de e-mail, clicando neste link.

Foto: Reprodução/Instagram
Marcos Vitor

Marcos Vitor

Indiciamento

A delegada titular da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), Camilla Miranda, concluiu o inquérito e indiciou Marcos Vitor pelo crime de estupro contra as irmãs de 3 e 9 anos e a prima de 12 anos de idade.

A delegada informou que o acusado continua foragido e que desde a decretação da prisão preventiva não houve nenhum contato da defesa de Marcos Vitor, a fim de apresentar o cliente. “Ele foi indiciado por estupro de vulnerável contra três vítimas, a irmãs e a prima de 12 anos. Agora eu vou remeter o inquérito ao Poder Judiciário e dar cumprimento ao mandado de prisão dele, que até o momento se encontra foragido”, pontuou.

Buscas intensificadas

Desde 22 de outubro, a Polícia Civil intensificou as buscas e o delegado geral, Luccy Keiko anunciou que os amigos e familiares que estiverem ajudando a esconder o estudante podem ser responsabilizados criminalmente. “Estamos reforçando as diligências e investigando se pessoas ligadas ao nacional estão dando cobertura financeira ou logística para que ele continue foragido. Isso é crime tipificado como favorecimento pessoal, e quem cometer esse crime será responsabilizado criminalmente”, ressaltou o delegado-geral.

Entenda o caso

O GP1 publicou reportagem no dia 22 de setembro revelando o caso de Marcos Vitor, acusado de abusar sexualmente de crianças e adolescentes da própria família. A vítima mais nova é irmã do estudante e tem apenas 3 anos de idade. A DPCA instaurou inquérito e não conseguiu localizar o suspeito para intimá-lo, até que foi decretada sua prisão preventiva.

 

Por GP1

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *