Patos/PI: Prefeito Joaquim Neto concede aumento do piso salarial nacional para os professores e acompanha pessoalmente a votação que aprovou o projeto

O prefeito de Patos do Piauí, Joaquim Neto (PSD) concedeu o reajuste de 33,24% aos professores de acordo com o Piso Nacional do Magistério.

Para regulamentar a implantação do piso salarial nacional para os professores da rede municipal de ensino, o Executivo Municipal enviou para Câmara Municipal o Projeto de Lei nº 002/222 que foi aprovado por unanimidade na Sessão Ordinária deste sábado (26.mar).

Veja o projeto aprovado  AQUI

O gestor acompanhou pessoalmente na Casa Legislativa a discussão e a aprovação do projeto.

Após a aprovação o prefeito Joaquim Neto usou a tribuna da Casa por meia hora, numa conversa franca com os vereadores e a população, onde explicou sobre o projeto aprovado.

“Tivemos uma demora, essa demora  foi para analisar. Coloquei nas mãos dos melhores técnicos do Estado do Piauí da Educação,  especialistas, contadores, auditores e chegamos a conclusão,  quando olhávamos a planilha com os valores para implantar o piso inicial, e só víamos redução de direitos tirados da nossa classe. Os nobres vereadores são sabedores, principalmente quem foi vereador na época, que aqui, não tinha piso. O piso só foi implantado a partir de 2008, com reajuste de 8% e vimos que tiraram direitos da nossa graduação.

Os recursos de Patos do FUNDEB são comprometidos. Digo a vocês que se não fosse aquele projeto do Mais Educação do ano passado que cria a jornada ampliada, nós não tinhamos conseguido. Acredito, não sou contra, sou professor, eu queria que os professores do Brasil, principalmente na cidade pequena, 0.6, no caso de Patos,  que os professores recebessem R$ 10 mil, porque o professor é que dá a cara a tapa, é o para-choque de todas as profissões. Gostaria  de valorizar o professor mais ainda, mas quando olho para as receitas do município e as previsões em relação ao FUNDEB, temos que ter cautela.

Acredito que o presidente da República mudou os planos de repente. Pois sempre o reajuste do piso dos professores era baseado na inflação e dessa vez não foi.

E tem mais, quando aumenta a folha dá um impacto lá no INSS. Não sei se os senhores sabem, cada servidor público, a prefeitura tem que pagar 22%. Eu acho que o vereador hélio aber disso, trabalhou nisso. Quer seja comissionado, que seja concursado, o que seja contratado, o que deixa a carga tributária muito alta. Nós pagamos agora, só de professores R$ 100 mil só com o INSS para garantir a aposentadoria deles.

Preocupado com toda essa questão que envolvia o rejuste do piso salarial dos professores, eu procurei por recomendação da APPM o Dr. Hans e  ele me disse: ‘prefeito a  medida que eu te aconselho a tomar, você não vai não vai ter a coragem. Porque eu não aconselho tomar medidas pensando no prefeito e nem nos professores, e sim dentro da realidade dos recursos do município’, foi quando ele me pediu uma série de documentos e ficou 15 dias analisando. Quando voltei ele me disse que tinha duas soluções: tirar um turno de cada professor e a segunda é mudar todo o plano de carreira e implantar um piso de três mil e oitocentos e dá uma gratificação por tempo de serviço’ e perguntou se eu tinha coragem? Eu disse que não. Não vou deixar professor passar necessidade, tirar um turno, diminuir a renda, jamais faria isso na minha vida pública”, relatou Joaquim Neto.

Estou aqui com o relatório para explicar aos senhores vereadores, pra estar por dentro. Com essa proposta o sindicato não acatou. O sindicato reduziu para 2%  a pós-graduação e eu acatei contra tudo e contra todos os seguimentos da economia que fez esse levantamento. Mas nós não temos a garantia de pagar em dias úteis.”

Na tribuna da Casa, os vereadores abordaram vários temas de interesse da comunidade e do município.

O vereador Wilson Vieira (PSD), líder do prefeito na Casa, foi o primeiro a falar, relatando ações da gestão.

“A Assistência Social do nosso município realizou no início do mês o Fórum do Selo Unicef, onde se  discutiu a  melhoria das nossas crianças e adolescentes. Teve a  distribuição de kits para as gestantes; foram iniciadas as aulas presenciais no nosso município; A merenda escolar já já foi distribuída nas escolas, ontem; a prefeitura está realizando a limpeza de ruas, do cemitério; estradas estão sendo recuperadas; as paradas ao longo da BR-407, também estão sendo recuperadas; Vamos iniciar a campanha contra a Dengue, dengue, Zica e a Chikungunya, incluindo o carro fumacê que já foi solicitado”, Wilson acrescentou ainda que “a  saúde municipal realizou  uma série de palestras  na volta às aulas  com dentista, enfermeiro e psicólogo.”

O parlamentar lamentou a perda do ex-vereador de Jaicós, Zezito Dantas: “Quero deixar meus sentimentos á família de José Dantas Siqueira, ‘Zezito Dantas’, um amigo, uma pessoa aberta, de diálogo e apaixonado por política”, e solidarizou também com as perdas no município de Josefa Joaquina da Costa do Estreito e dona Gorete.

Sucinto em seu pronunciamento o vereador Francisco Evaristo o “Sarrika” (PSD) agradeceu a Deus pelo acordo ter sido realizado entre a prefeitura e o sindicato.

“Espero que os pagamentos continuem sendo feitos em dia  e acredito que a gestão vai fazer sua parte. Sei que vai ficar muito pesado para a prefeitura, mas com fé em Deus vai dar tudo certo”, otimizou.

A vereadora Zuleide Costa (Progressistas) iniciou seu pronunciamento cobrando a gestão.

“Quero pedir agilidade em relação a questão da merenda escolar, porque nossos alunos já foram bastante lesados e para que procurem solucionar.O vereador Wilson que me antecedeu,  já disse que na próxima semana provavelmente já terá, a gente espera que  tenha mesmo, para que eles tenham horário normal de aula e também questão de carro que procurem resolver. Em algumas localidades os alunos não foram para a escola, peço que procurem solucionar esse problemas o quanto antes, porque já que voltou a ter  aula presencial, é ideal que os alunos possam aproveitar ao máximo.”

A vereadora falou em pagamento atrasado: “Os funcionários que estavam na folha da saúde que ficaram sem receber também o mês de dezembro 2020, até hoje não foi receberam. Gente, todos nós aqui Sabemos que a folha da saúde é um pouco menor que a folha da educação  e que esses funcionários que estão sem receber são bem menos do que os funcionários da educação . Então é uma coisa que eles sempre cobram e aproveitando que o prefeito está aqui,  peço que procure solucionar”, conclui Zuleide.

O vereador Chico de Oseas (Progressistas) solicitou ao prefeito Joaquim Neto a elaboração de um projeto e que fosse enviado à câmara.

“A regularização de grande parte das residências do povoado Cajueiro e terrenos. A maioria não tem documento, infelizmente. Tem que ser feito esse projeto e enviado aqui para a casa  para ser analisado e votado por nós vereadores, com o objetivo de legalizar a questão da documentação.”

Em um aparte o vereador Wilson informou que o projeto já está sendo elaborado pelo secretário municipal de Agricultura, Hélio Araújo e, em breve, estará sendo enviado para análise da Casa Legislativa e posterior votação.

O vereador Antônio Rufino “Tonhão” (Progressistas) iniciou seu pronunciamento falando sobre a aprovação do piso dos professores.

“Quero em primeiro lugar parabenizar a todos pela aprovação do projeto, muito importante para os professores. A luta foi grande da prefeitura,  do sindicato e dos vereadores. Só lamento não ter visto nenhum professor aqui, hoje. Sei as dificuldades são grandes, muitos prefeitos ainda vão passar por isso, é uma herança, mas, vamos em frente”, disse.

Tonhão concluiu dizendo “quero parabenizar o prefeito pelas entradas das estradas, pis atava causando muitos acidentes devido a falta de visão, agora melhorou.”

O vereador José Hélio o “Helim” (Progressistas) aproveitou a presença do gestor e fez algumas indagações.

“A questão da Chikungunya que Wilsson até relatou, mas eu não podia deixar de falar, já que tenho conhecimento para falar. Tem que se tomar providência. Mandarr fazer um mutirão  nas ruas, nos quintais das pessoas, que esse mosquito ai é terrível. Pedimos que tragam o carro fumacê para que se faça essa limpeza.

Eu queria mais uma vez saber do prefeito  sobre a ambulância que ainda se encontra em Paulistana. Na chuva, no sol, fazer um esforço seu prefeito para que mande  resgatar essa  ambulância, vai ser de grande serventia para o pessoal de Patos. Sobre o roçoa, está sendo feito, não é completamente, ainda tem algumas estradas que ainda faltam”, lembrou o vereador.

Helim falou sobre a Educação do município: “Eu quero dizer que no ano passado não teve aula. Eu tenho aqui um levantamento de 2020 e 2021. Nós estamos no ano 2022 e tenho um levantamento de janeiro de 2020 a janeiro de 2021, e que todos esses meses se você for fazer uma comparação, mês a mês, sempre entrou dinheiro mais que 2020, e aqui tem uma sobra beirando um R$ 1 milhão.Ficou do mês de dezembro tanto com o pessoal da saúde e muitas pessoas que eram da educação. Eu acho que já daria para resolver essa questão e não venha me dizer que prefeito não paga conta de outro porque paga sim! O gestor anterior, quando o Silvio saiu, ele deixou contas de professor e ele pagou”, disse.

A presidente da Casa, vereadora Luzitânia Dias a “Taninha” (PSD) foi a última a usar a tribuna.

Gostaria de iniciar falando a respeito do piso salarial. Como foi o assunto abordado, histórico para a categoria de professores, hoje era um dia para esta casa  estar cheia de professores, vendo a situação, escutando, vendo a votação, escutar a mensagem do prefeito, e vejo que ninguém veio para a câmara. Ouvi muitas conversas, muitas ladainhas de meia dúzia, mas no momento certo de vir, ouvir, não vejo ninguém. É lamentável. Respeito muito a classe, tenho muitas amigas professoras, mas deixaram a desejar.

Gostaria também de dizer que eu tive acesso a algumas informações do grupo do sindicato e principalmente o áudio vazado, eu achei uma forma desrespeitosa para com o prefeito. Eu ouvi um áudio que me chamou a atenção e até deixou um pouco revoltada. A política em si, eu sou apaixonada sim, mas tá me deixando cada dia mais desmotivada. Não tenho nem tanta vontade mais. Por quê?! Eu acho que ética, educação elas devem partir de todos nós, principalmente do professor, porque se o professor não tiver educação não poderá cobrar também dos seus alunos. Acho que o  prefeito, como nós vereadores, representantes dessa casa, somos representantes do município. Nós estamos respondendo pelas leis. Então, porque não haver entendimento? Só piadas? É muito feio! Eu achei feio por parte de professor. Quando o ex-gestor foi implantar um piso aqui no município, era um piso de 8%, e ele tirou praticamente quase toda a vantagem que o professor tinha, inclusive até falei com ele aqui numa audiência pública, só eu e ele. Falei: ó, doutor, você realmente plantou, só que trocou seis por meia dúzia. Implantou tirando em torno de seis e meio por cento das vantagens. E hoje, foi essa burocracia tão grande para que Joaquim Neto chegasse a esse consenso de tirar mais um pouco e futuramente quem diria, no próximo ano, poderia voltar a mandar um projeto novamente aumentando essa gratificação que seria retirada de mais um e meio por cento. Muito diferente de implantar 8%. São 33% que entra na história. Se o pagamento for para outro dia, todos já estão sabendo, inclusive ele mandou um ofício para sindicato falando que se passasse para o dia 10 ou até mais, não há do que haver cobrança, porque todos nós sabemos que é um aumento exorbitante. Sabemos que foi grande. Se ele tivesse dado em torno aí de 10% ou a 12% que era o que se chegava antes, seria até após ter sido implantado aqui na na educação a jornada ampliada que veio ano passado aqui para esta Casa Legislativa, e isso ajudou e muito para que pudesse aumentar um pouco dos recursos do FUNDEB.

Mas é importante salientar que se houver atraso, estão sabendo que por conta do aumento muito grande. Claro que todos nós merecemos e queremos um aumento grande. Quem não quer?! Agora tem que ver a realidade da situação.”

Em resposta ao pronunciamento de vereador Helim, Taninha respondeu: “Só enfatizando aqui vereador a questão  quando o  ex-prefeito Silvio saiu. Eu também fazia parte e eu sei que não ficou dívida da educação. Ele deixou a folha feita, empenhada. Não deu tempo de pagar o recurso por conta das contas que foram de última hora e tinha dinheiro, mas ficou o dinheiro e a folha empenhada. Inclusive a folha foi feita por mim, por Humberto, na época que era o tesoureiro. Ficou também o dinheiro empenhado, com cheque assinado de trinta mil para pagamento de carros, onde o ex-gestor nunca efetuou o pagamento. Foi colocado na justiça, mas até hoje nunca houve nenhum resultado.Gostaria de dizer que a ex-gestão do ex-prefeito Silvio não deixou nenhum real de pendência na educação”, e acrescentou “Joaquim Neto o atual prefeito, recebeu a prefeitura com dívida tanto no FPM que foi zerado em janeiro e fevereiro e uma dívida que o ex-gestor deixou de um R$ 1,6 milhão do INSS que é para ser parcelada e está dificultando muito também. Temos que coerência. Joaquim neto está se doando muuito pelo município de Patos. Eu já disse para ele e digo. Digo perante a todos os vereadores. Na hora que ele estiver errado, eu digo para ele e digo na cara. Eu não tenho papa na língua como eu já disse.”

Ao finalizar, Taninha falou sobre o Aedes Aegypti.

“A gente estava com um mutirão marcado na quarta-feira, mas veio um falecimento da dona Gorete, infelizmente a gente adiou. E temos vinte casos de dengue confirmadas no município. E já foi feito ofício pra o o carro fumacê. O deputado Georgiano tá se empenhando para que seja feita esta ação de combate. Eu já soube que no Cajueiro, graças a Deus não está tendo esse problema. Só aqui na cidade.”

Assista a sessão completa no vídeo abaixo:

 

Por Portal Saiba Mais

 

WhatsApp do Portal Saiba Mais: (89) 99922-3229

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *