Borracheiro quer R$ 1 milhão de indenização e impede obras na BR-316 em Teresina

O borracheiro Sebastião de Almeida Rodrigues, de 74 anos, não aceita ser retirado das margens da rodovia BR-316, na altura do bairro Santo Antônio, na zona Sul de Teresina, e cobra indenização de R$ 1 milhão para retirar sua borracharia , que tem há oito anos, no local onde ficava a Rodoviária dos Pobres.

A borracharia de Sebastião de Almeida fica no meio da obra de alargamento da rodovia BR-316, executada pelo Departamento de Estradas de Rodagem (DER). As obras estão sendo executadas, mas a retirada da borracharia de Sebastião de Almeida é necessária para a continuação do alargamento da rodovia.

Efrém Ribeiro

Ele fica sentado em um banco de madeira e cercado de pneus usados enquanto as caçambas com material de construção civil e máquinas niveladores passam próximas de seu corpo.

“Eu não estou vendendo minha casa e minha borracharia. Estou sendo desapropriado. Não vou sair daqui porque o imóvel tem 26 anos porque o comprei há oito anos e já existia há 18 anos, então são 26 anos”, falou Sebastião de Almeida, que diz ter ido para Brasília na semana passada em busca de seus direitos porque a rodovia é federal.

“São 26 anos de estabelecimento neste local. Eu tenho 56 anos e não podem me tirar daqui como tiram um cachorro. Têm que me respeitar, estou precisando fazer uma negociação, porque ser desapropriado de imóvel não é vender , estão querendo me tirar sem conversar comigo. Isso não vai acontecer, estou pedindo R$ 1 milhão”, afirmou Sebastião de Almeida.

Efrém Ribeiro

Ele alega que cobra R$ 1 milhão de indenização porque há oito anos gastou R$ 300 mil para aterrar o terreno onde fica sua borracharia onde vende pneus usados.

“Quando comprei o imóvel aqui era um buraco. Eu gastei R$ 300 mil com o aterramento e minha casa é toda na cerâmica. Se eu gastei R$ 300 mil há oito anos, esse dinheiro hoje foi valorizado para R$ 1 milhão. Estão querendo me matar do coração para me tirarem daqui, mas tenho notas de tudo o que comprei de material”, afirmou Sebastião de Almeida.

Os comerciantes e prestadores de serviços da Rodoviária dos Pobres, que ficava nas margens da rodovia BR-316, fecharam acordo recebendo indenizações e direito a um espaço em galpão que o Governo do Estado vai implantar no bairro Parque Sul, na zona Sul de Teresina próximo ao Posto da Polícia Rodoviária Federal (PRF), para que sejam feitas as obras de alargamento da rodovia na entrada de Teresina.

Além da borracharia de Sebastião de Almeida, uma fábrica de carrocerias de caminhões, que também trabalha com reformas de carrocerias, também esta passagem da continuidade das obras de alargamento da rodovia BR-316.

Efrém Ribeiro

A fábrica de carrocerias ficava era vizinha da Rodoviária dos Pobres e o DER não quer pagar R$ 15 mil e dar  um local no Galpão destinado aos comerciantes, de acordo proprietário do empreendimento, Carlos Magno.

Ele falou que foi várias vezes para o DER para chegar a um acordo, mas percebeu o desinteresse do departamento e agora resolveu ficar quieto em sua fábrica de carroceria porque quem tem interesse de continuar com as obras de alargamento da rodovia BR-316 é o Governo do Estado e não ele.

Efrém Ribeiro

“Eu quero receber R$ 15 mil pela área porque  aterrei mais de  20 metros. Eu quero cobrir pelo menos meus gastos de R$ 15 mil com o aterro do terreno”, falou Carlos Magno, que continua trabalhando na fabricação e reforma de carrocerias de caminhões e ia, com o aposentado Francisco Coutinho de Sousa, que o ajuda no trabalho, para a Central de Abastecimento (Ceasa), na manhã de sábado  (4), para acertar a construção de uma nova carroceria.

Fonte: meio norte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *