Ciro Gomes diz que Lula “conspirou” pelo impeachment de Dilma

O pedetista cita, como prova, recentes conversas de Lula com o MDB e acusou o ex-presidente de impulsionar Jair Bolsonaro

O pré-candidato do PDT à Presidência da República, Ciro Gomes (CE), disse que Luiz Inácio Lula da Silva “conspirou” pelo impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), em 2016. O pedetista apontou, como prova da suposta ação de Lula, as recentes conversas do petista com líderes do MDB, principal partido beneficiado com a cassação da ex-mandatária.

Em entrevista concedida ao jornal O Estado de S. Paulo, Ciro enfocou os contatos atuais de Lula com o senador Renan Calheiros (MDB-AL) e com o ex-senador Eunício Oliveira (MDB-CE), que à época apoiaram e votaram a favor do impeachment.

ciro gomes no rio de janeiro

“Eu atuei contra o impeachment, e quem fez o golpe foi o Senado Federal. Quem presidiu o Senado? Renan Calheiros. Quem liderou o MDB nessa investida? O Eunício Oliveira. Com quem o Lula está hoje?”, iniciou. “Hoje, eu estou seguro de que o Lula conspirou pelo impeachment da Dilma, estou seguro”, declarou Ciro na entrevista.

O pedetista ainda apontou Lula como responsável por impulsionar Jair Bolsonaro (sem partido) na corrida presidencial de 2018. Segundo ele, Dilma “destruiu a economia brasileira” como “ninguém no passado histórico brasileiro”.

“Jamais acreditei que Bolsonaro teria qualquer chance, a mais remota possível, e eu mordi a língua porque eu conhecia de perto o Bolsonaro. Eu não sabia que ele utilizaria de estrangeirismos aos montes, com orientação dessa gente do Trump que desceu aqui, e faria esse processo de internet, que nós também não conhecíamos no Brasil”, disse o pedetista.

Ele revelou ainda estar com relação definitivamente rompida com o que chamou de “lulopetismo”.

“[Minha relação é] absolutamente inconciliável com o PT. Com o lulopetismo corrompido e neoliberal tosco, a minha relação está definitivamente encerrada”, afirmou Ciro.

“Picaretas perigosíssimos”

Na visão de Ciro, Bolsonaro está disposto a romper com a democracia para continuar no poder. O presidenciável classificou os ministros Luiz Eduardo Ramos, Braga Netto e Augusto Heleno como “picaretas perigosíssimos”. “São eles que dão corda no Bolsonaro”, considerou.

“Bolsonaro não estará nas eleições por não reunir a menor condição objetiva de se apresentar para o povo. É um governo trágico, que não tem absolutamente nada para mostrar. E o lastro para uma equivocada ideia de que vai subornar a consciência de um povo machucado melhorando o Bolsa Família”, disse Ciro.

Trégua frágil

Há uma semana, após ser vaiado por militantes petistas em manifestações em São Paulo e Rio de Janeiro, Ciro chegou a propor uma “trégua de Natal” ao PT.

A bandeira branca, no entanto, durou uma semana. Em vídeo divulgado pelas redes sociais, na última segunda-feira (11/10), Ciro retomou o comportamento de ataques, dizendo que Lula, seu principal alvo, “não renovou as ideias” e “nunca pediu perdão” pelos erros cometidos.

No vídeo, Ciro cita o mesmo encontro de Lula com os emedebistas e critica o ex-presidente por buscar apoio entre “as mesmas pessoas, incluindo aqueles que derrubaram Dilma”.

“Se você pensa em apoiar Lula por causa do que ele fez no passado, talvez fosse o caso de refletir mais profundamente. Você acha que ele terá condições de governar bem nos dias de hoje? Lembre que o Brasil mudou muito, e Lula não renovou as ideias. Será que ele se corrigiu e não vai repetir aqueles erros terríveis que você só descobriu depois? O pior é que você nunca viu ele pedir perdão pelos erros e está vendo ele se juntar, de novo, às mesmas pessoas”, disse Ciro.

O jantar foi oferecido a Lula pelo ex-senador Eunício de Oliveira (MDB), na semana que o petista realizou uma série de encontros políticos em Brasília. Adversário político de Ciro no Ceará, Eunício deve tentar se eleger ao governo do estado em 2022.

Por Metrópoles

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *