Em Teresina, pronto atendimento do HUT abre novos leitos e atende apenas casos Covid

Diante do aumento da demanda provocada pela crise sanitária do coronavírus, o Hospital de Urgência de Teresina Professor Zenon Rocha (HUT) ampliou o seu pronto atendimento voltado para casos covid.

Agora, serão 100 leitos, entre intensivos e enfermarias, exclusivos para o tratamento da síndrome respiratória aguda, a maioria desses leitos tem suporte para atender pacientes mais críticos devido ao aporte de oxigênio e suporte de respiradores.

“Essa reorganização do hospital foi possível pela redução expressiva de entradas ocasionadas por traumas de acidentes de trânsito e agressões físicas, sobretudo nos finais de semana devido às medidas restritivas havendo mais espaço para que possamos dar mais assistência aos pacientes vítimas da covid-19”, declarou Fábio Marcos de Sousa, diretor-geral do HUT.

A definição da alteração no fluxo de atendimento é temporária, mas por período indeterminado, até que a pandemia diminua. Fábio Marcos explicou que os atendimentos geral, ortopédico, cirúrgico, oftalmológico e pediátrico foram reduzidos, mas continuam.

“Pacientes não covid terão atendimento de emergência no HUT e depois serão referenciados para demais unidades da rede de saúde proporcionando continuidade ao tratamento até a alta”, completou.

Romak Bezerra, diretor de Enfermagem, esclarece que o Hospital foi dividido em dois “Pacientes e profissionais de saúde que vão atender os traumas graves não terão contato com aqueles que estão na parte da covid, que terá um isolamento completo”.

“Nós estamos vivenciando um momento de alta demanda de pacientes com covid, por isso é essencial seguir todas as medidas restritivas e o distanciamento social para que a gente possa diminuir a sobrecarga dos hospitais”, conclui Romak.

Todos os profissionais da linha de frente do Hospital de Urgência de Teresina estão sendo treinados e atualizados quanto ao protocolo institucional de enfrentamento ao novo coronavírus com base nas orientações dos principais órgãos de saúde.


Fonte: Com informações da Ascom

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *