Homem é suspeito de abandonar filho de 3 anos na estrada para fugir da polícia em Floriano

De acordo com a PRF, ao saber que o filho havia sido resgatado pela polícia, ele se apresentou às autoridades espontaneamente.

Por G1 PI

Um homem de 29 anos, que não teve seu nome informado, foi preso suspeito de abandonar o próprio filho de 3 anos, às margens da BR-230, em Floriano, a 244 km de Teresina. O caso aconteceu nesse domingo (6) e, de acordo com a Polícia Rodoviária Federal, o homem disse que abandonou a criança para fugir da polícia.

A PRF informou que a fiscalização acontecia na estrada durante a tarde, quando o homem desobedeceu a ordem de parada dos policiais e fugiu em alta velocidade com a criança em uma moto que ele conduzia.

“Durante a fuga o motociclista trafegou de maneira perigosa com velocidade maior que a permitida para o local, colocando em risco a sua vida e a de outras pessoas que transitavam na via. Em um dado momento ele abandonou o seu filho de três anos em um local ermo e continuou a fuga. Os policiais deram prioridade de resgatar a criança que estava bastante assustada e chorando bastante”, informou o inspetor Alexsandro Lima, da PRF.

A polícia informou ainda que acionou o Conselho Tutelar para as devidas providências com relação à criança. A mãe do menino foi localizada e informou aos policiais que era separada do pai da criança e que, em acordo entre eles, o homem era responsável por ficar com o filho durante os fins de semana.

Ao saber que o filho havia sido resgatado pelos policiais, ele se apresentou espontaneamente às autoridades e foi autuado por diversos crimes cometidos na fuga.

“O homem possui diversas autuações pela PRF e já é reincidente nesse tipo de conduta. Ele informou que abandonou a criança para não atrapalhar a sua fuga”, disse.

A polícia informou que o homem foi autuado por diversas infrações cometidas e deverá responder pelos crimes de desobediência, abandono de incapaz e perigo para a vida ou saúde de outras pessoas, além da contravenção penal por dirigir veículo pondo em perigo a segurança alheia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *