Kassio rebate Gilmar, defende o Piauí e afirma que não teme voto dos colegas

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), citou o Piauí durante reação ao voto do ministro Kassio Nunes, que se manifestou contra a suspeição do ex-juiz Sérgio Moro nesta terça-feira (23). Com o voto do ministro piauiense, formou-se maioria contra Lula no processo.

Logo após o voto de Kassio Nunes, Gilmar Mendes pediu para usar a palavra e confrontou a posição do colega. “Isso tem a ver com garantismo? Nem aqui nem no Piauí, ministro Kassio”, afirmou o ministro após citar a interceptação telefônica de advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Gilmar afirmou que não é momento de “covardia” e que a posição de cada integrantes do STF em relação à Lava Jato será decisiva para verificar o papel de cada um perante a história.

De acordo com ele, ainda que existam limites processuais ao habeas corpus, há precedentes na corte que permitem discutir a suspeição de magistrados por essa via, e e que é possível se fazer revisão criminal por ela.

Gilmar afirmou que não usou em voto mensagens vazadas de procuradores da República para reforçar os elementos. “Meu voto está calcado nos elementos dos autos”, afirmou. “Eu trouxe isso aqui [as mensagens vazadas] para demonstrar o barbarismo em que incorremos.”

O magistrado ainda questionou se Moro e o procurador Deltan Dallagnol, que era o chefe da força-tarefa da Lava Jato, são pessoas confiáveis. “Algum dos senhores compraria um carro de Moro, um carro de Dallagnol? Alguém os contrataria como advogado?”, perguntou.

Kássio rebate

O ministro Kassio Nunes Marques rebateu o discurso de Gilmar Mendes, que criticou a posição do colega sobre a declaração de suspeição de Sergio Moro.

Ao rebater o colega, Kassio avisou que não teme a posição de nenhum integrante do STF e defendeu o Piauí, seu estado de origem e que foi citado por Gilmar.

“Não me inibo com nada e não temo ninguém nesse plano”, disse. E complementou: “Quando vossa excelência diz que o garantismo não é nem aqui, nem no Piauí, pode ser interpretado como uma forma de menosprezar um estado pequeno. Queria fazer esse registro e apresentar escusa se eventualmente no meu voto ofendi a forma de pensar dos senhores, apenas retratei a minha forma de pensar”.

Foto: Felipe Sampaio/SCO/STF

O magistrado afirmou que não gosta de usar muito a palavra por não gostar da própria voz e disse que não faria uma réplica em relação a Gilmar e a Ricardo Lewandowski, que também falou após o voto de Kassio.

“Quem não conhece ainda tem pouco mais de 26 anos para me conhecer”, disse em relação ao período que ainda tem na corte até se aposentar compulsoriamente.

Fonte: Folhapress

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *