MP entra com ação para que governo divulgue dados sobre o coronavírus no Piauí

Ministério Público requer que Secretaria de Saúde divulgue em seu site todos os dados sobre a capacidade do estado de combater a pandemia de coronavírus e o número de infectados, casos suspeitos e óbitos causados pela Covid-19.

O Ministério Público do Piauí entrou com uma ação civil pública pedindo à Justiça que determine que o Governo do Estado divulgue, no site da Secretaria de Saúde do Piauí, todos os dados sobre a capacidade do estado de combater a pandemia de coronavírus e o número de infectados, casos suspeitos e óbitos causados pela Covid-19. O G1 procurou o Governo do Estado, que ainda não se pronunciou sobre a ação.

O documento foi enviado para a 1ª Vara dos Feitos da Fazenda Pública da Comarca de Teresina, que deve julgar se os pedidos são procedentes. A ação pede que sejam intimados o secretário Saúde, Florentino Neto, e o presidente do Centro de Operações de Emergência em Saúde Pública, Alderico Gomes Tavares, para que cumpram as determinações caso sejam aprovadas.

Divulgação de dados sobre combate à pandemia

A ação assinada pelo promotor Eny Pontes requer que o estado informe a situação do estado no combate à doença no site da Secretaria de Saúde do Piauí.

Sobre os pacientes, o MP pede que o estado informe, a cada 24 horas, a atualização dos números de casos confirmados, suspeitos e de mortes causadas pela doença, com detalhamento sobre o perfil de cada paciente com sexo e a faixa etária, se o paciente sofre ou não de alguma doença, sem identificar as pessoas, e informações sobre a forma de contaminação (quando identificada).

 

O Ministério Público requer ainda que o Estado atualize o Plano Estadual de Contingência para o combate ao coronavírus, com um estudo técnico da cada hospital regional e estadual sobre o número de leitos hospitalares e de Terapia Intensiva, de equipamentos e profissionais.

Para o MP, o estado deve ainda informar a quantidade de aparelhos de ventilação pulmonar e respiração assistida de cada hospital, e a capacidade do Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen) de realizar exames diagnósticos de infecção, e a quantidade de kits de coleta que o laboratório dispõe.

Ampliações

A ação do Ministério Público requer ainda que o estado faça ampliações nos serviços para aumentar a capacidade de enfrentamento à doença. Para o Lacen, o MP cobra que, a cada etapa de projeção da pandemia, seja feita uma ampliação no número de equipamentos e de profissionais.

Com relação aos hospitais, o MP afirma que o Estado informou que faria a ampliação do número de leitos de UTI em diversas unidades, mas não apresentou o número atual desses leitos.

No documento, o MP argumenta que os 10 leitos de UTI anunciados para o Hospital Infantil Lucídio Portela e os 20 para o Hospital Getúlio Vargas, ambos em Teresina, supririam somente necessidades já existentes, e não acrescentaria de fato novos leitos. “Faz-se necessária a criação de novos leitos de UTI além da demanda já existente anteriormente”, diz a ação.

O MP requer também um chamamento de profissionais da área de saúde, estes destinados a trabalharem nas UTIs que serão criadas para o combate à pandemia de coronavírus, num modelo de contratação especial para a situação.

Para embasar a afirmação de que o quadro de profissionais de saúde atual não é suficiente para conter a crise, o MP aponta um estudo realizado pela Secretaria Estadual de Saúde de abril de 2019, quase um ano antes do início da chegada do coronavírus ao estado, que apontou a necessidade de contratação de 3616 profissionais a serem distribuídos em unidades de saúde de todo o estado.

Isolamento social e decretos de calamidade

Para evitar a contaminação pelo vírus, o isolamento social e medidas emergenciais foram determinadas por meio de decretos do governo do estado e das prefeituras, como na capital piauiense, para que a população fique em casa e evite ao máximo ir às ruas.

Policiais fazem abordagens nas fronteiras do estado a ônibus e veículos particulares. Escolas, universidades e a maior parte do comércio, assim como serviços públicos, suspenderam as atividades. Os decretos preveem que quem descumprir as regras pode ser penalizado com multa ou até prisão.

Prevenção, contágio e sintomas

 
Lavar bem as mãos é a maneira mais eficaz de evitar o contágio  — Foto: Getty Images via BBC

Lavar bem as mãos é a maneira mais eficaz de evitar o contágio — Foto: Getty Images via BBC

Lavar as mãos de forma correta, uso de álcool em gel, máscaras, evitar contato pessoal e aglomerações de pessoas são algumas das orientações para evitar o contágio da doença.

É importante também ficar atendo quanto às formas de transmissão do vírus e os sintomas. O infográfico abaixo ilustra algumas dessas situações:

NAO USAR Coronavírus: infográfico mostra principais formas de transmissão e sintomas da doença — Foto: Infográfico / G1

Fonte: G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *