Odebrecht reconheceu, em 2016, todos os crimes anulados por Toffoli

Em dezembro de 2016, durante o ápice da Operação Lava Jato, a Odebrecht, atualmente nomeada Novonor, confessou envolvimento em “práticas impróprias” empresariais. A admissão veio à tona quando executivos e ex-executivos da empresa iniciaram delações premiadas. Paralelamente, a construtora concordou em reembolsar cerca de R$ 7 bilhões pilhados dos cofres públicos. Hora Brasília

A nota da empresa afirmava: “A Odebrecht reconhece que participou de práticas impróprias. Foi um grave deslize, contrariando nossos princípios e valores de honestidade e ética. Nos desculpamos, lamentando não ter agido assim antes.”

Mesmo diante da confissão, o ministro Dias Toffoli, do STF, declarou nulas as provas derivadas das delações dos executivos da Odebrecht, denominando os acordos como “imprestáveis”. Ele também classificou a detenção do ex-presidente Lula como “um erro histórico”.

A declaração completa da Odebrecht ressaltava: “Independente das pressões externas ou vícios no relacionamento empresarial-público, reconhecemos e lamentamos nossas falhas. Nossos desvios não refletem a competência reconhecida por nossos clientes e a qualidade de nossos profissionais. Aprendemos com nossos erros e estamos em transformação, determinados a superar esse capítulo.”


WhatsApp do Portal Saiba Mais: (89) 9 9922-3229

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Portal Saiba Mais