Câmara Municipal de Patos do Piauí realiza 4ª sessão ordinária do ano; veja como foi

A Câmara Municipal de Patos do Piauí, realizou neste sábado (10.abr) no Plenário Luiz Diolindo de Souza, a 4ª sessão ordinária do ano de 2021.

Durante o grande expediente, na tribuna da Casa Legislativa, vários assuntos relacionados ao município foram abordados.

A vereadora Zuleide (PP), a primeira a falar na sessão, iniciou dizendo que suas palavras realmente hoje, eram poucas: “Vai se tornar um pouco repetitivas, mas enquanto não forem solucionadas, não tem como deixar de falar. A questão das estradas, já falei aqui antes, e tem um ponto também crítico e isso o ideal seria colocar aterro e fazer alguns reparos. Então, espero que solucione, além disso também, a máquina tá quebrada, fui informada na sessão passada, mas a gente espera que termine o roço, porque o mato tá tomando conta das estradas. A gente vem de lá para cá, apanhando praticamente. A gente pede mais agilidade em relação ao roço das estradas, pelo menos.”

A vereadora terminou seu pronunciamento solicitando ao líder da situação, sobre o pagamento dos professores referente ao mês de dezembro de 2020. Questionando como o mesmo está se planejando, se há alguma previsão de pagamento para este ano. Citando também, alguns funcionários da saúde que também ficaram sem receber.

O vereador Antonio Rufino o “Tonhão” (PP), lamentou sobre a situação das estradas: “É lamentável. Hoje, é o comentário de todos, em toda a região. O roço que sempre começava no mês de março e já estamos no mês de abril, e nada. Tem lugar aí que está sujeito a ter prejuízo porque as estradas estão fechando, o mato tá invadindo”, e voltou-se para ao líder da situação dizendo que já passou da hora do gestor do município resolver o problema.

Tonhão finalizou lamentando sobre os remédios da farmácia básica: “As pessoas estão procurando e não estão encontrando.”

Em seu pronunciamento o vereador José Hélio o Helim (PP), disse que estava alí para cobrar e trouxe uma série de reivindicações: “Vou começar pelo PNAE: recurso que entra para a merenda escolar e que ficou na gestão passada R$ 59. 791, 72. Até o mês de março entrou mais R$ 22. 178.20, uma quantia de R$ 81.959,122. Esse dinheiro, sabemos nós, e no período de pandemia, tem pessoas passando necessidade, esse dinheiro é para comprar merenda escolar para os alunos. Mesmo não tendo aula presencial, esse dinheiro é para comprar merenda para o alunado”.

O vereador disse também na tribuna, que iria solicitar através de ofício  para a Casa Legislativa, para que a prefeitura envie a relação de todos os funcionários, motoristas e contratos.

Sobre os poços tubulares, Helim disse que antes os problemas dos poços eram cobrados e tinha solução, hoje, não tem: “O poço do Morro da Onça ficou quase um mês parado.”

Sobre a falta de medicamentos no município, o vereador disse que é verdade: O meu irmão que tem problemas, ele toma dois tipos de insulina, todo santo dia, ele ficou sem essa medicação. Olha, que a insulina era grátis”, ressaltou.

O vereador Wilson (PSD) líder do prefeito na Casa, disse que antes dos colegas de oposição cobrarem as melhorias das estradas, ela já havia conversado com o prefeito sobre o assunto: “Isso é corriqueiro a melhorias da estradas. Eu sempre gosto de dar uma pedalas por aí no interior, Canto da Sela, Cajueiro e vejo as dificuldades das estradas”.

O vereador disse que o procedimento licitatório para a empresa que vão fornecer pneus para a prefeitura, ainda não foi feito, está marcado para a próxima semana: “Questão da merenda escolar, eu levei para o prefeito, onde falamos sobre a licitação que também não foi feita. O dinheiro está na conta, vai ser utilizado para o fim que se destina, mas no momento não pode comprar a merenda, se ainda não feita a licitação”, explicou Wilson.

O líder do prefeito falou que mesmo em início de gestão o trabalho de limpeza das ruas não tem parado: “Na gestão passada era uma só pessoa para fazer a limpeza das ruas, hoje, são várias pessoas. O cemitério estava cheio de mato, foi feito a limpeza. A demanda da limpeza no município é grande e requer tempo. À vezes, quando limpa de uma lado da cidade, já está crescendo do outro.”

Sobre os roços da estradas, Wilson disse já havia conversado com o gestor, e que no momento apropriado o trabalho será feito.

O vereador Sarrika (PSD) foi sucinto ao usar a tribuna: “Graças a Deus os poços estão funcionando de uma forma que dá para abastecer a população. Onézimo uma pessoa que trabalha, é essencial e tenho certeza que ele vai fazer o melhor”.

“Sobre a limpeza das ruas do povoado Cajueiro, falamos com Joaquim Neto, e já está sendo concluída”, informou Sarrika.

O vereador finalizou alertando: “Sobre a Covid, todos nós devemos ter mais cuidado, pois tem muita gente infectada no município. Vamos tomar mais cuidado, sempre usando máscara, álcool em gel e fazendo distanciamento social, que as medidas básicas para se proteger do vírus”.

O vereador Marlon (PSD) citou o vereador Sarrika ao dizer que a limpeza das ruas do povoado Cajueiro na próxima semana será concluída e relatou: “Sobre as estradas, já falamos com Joaquim Neto, são muitas cobranças, todas as cobranças são válidas e todo mundo tem o direto de cobrar. A gente sabe das dificuldades pelas quais o município passa. Toda gestão no início é difícil. Como o ex-prefeito disse que encontro dificuldades no começo da sua gestão, nós estamos encontrando inúmeras dificuldades, pois estamos no iníco da gestão e, infelizmente sem dinheiro na prefeitura. Nós não ganhamos na mega-sena para resolver os problemas de uma só vez. Assumimos a prefeitura no dia 1º de janeiro deste ano. Temos que ter paciência. Até porque são muitos problemas e poucos recursos. Sobre as dificuldades dos funcionários concursados, em especial da Educação que sempre tem que ter a complementação do FPM para fazer o pagamento da folha”, exemplificou.

O vereador Cornélio (PSD) ao usar a tribuna, começou dizendo que duas coisas ruins estão prestes a acontecer: “Uma é a pandemia, que está se alastrando que só Deus na causa, não tem prefeito, polícia, governador, presidente, que consiga amenizar se a população não ajudar. A outra é a seca. Estamos metidos numa boca quente sobre a safra. Se chover na próxima semana salva uma grande parte da plantação, se não chover a perda será total, porque todo o milho é de um mesmo período”, discorreu.

Sobre os roços nas estradas, o vereador disse que ainda não passou do tempo:”O tempo de se fazer o roço é entre o fim de abril e o início de maio, pois é o período que as chuvas tem parado e o mato que for cortado não volta a nascer novamente. A situação está triste assim porque passou muitos anos sem fazer o roço. Se tivesse sido feito o roço todo ano, ou pelo menos um ano sim, e outro não, não estaria nesta situação”, e afirmou “tenho certeza que o prefeito vai fazer o roço das estradas em breve”.

Última a se pronunciar, a vereadora Taninha (PSD) que preside o Legislativo Patoense, lamentou profundamente a morte do ex-prefeito de Teresina, Firmino Filho: “Foi uma coisa que mexeu muito comigo. Uma pessoa que eu muito admirava, não porque veio a óbito, cheguei até a votar nele na época em que foi candidato a governador. Senti muito a perda de um grande homem, um gestor responsável, compromissado, pai de família, um exemplo de cidadão o ex-prefeito Firmino Filho. Quero aqui, prestar meus sentimentos a toda a família, em especial aos irmãos: Sabino Paulo e Roncalli Paulo e ao sobrinho e atual deputado estadual Firmino Paulo, bem como a população de Teresina”.

Depois, Taninha relatou sobre o lixo na BR: “Essa semana diminuiu um pouco, mas eu tenho visto muito  lixo alí, pelas margens da BR-407, e eu acho uma falta de educação, de responsabilidade das pessoas que estão fazendo isso. Até porque eu tenho falado para o prefeito Joaquim Neto, para o Chiquinho de Zé Bispo, responsável por carregar o lixo, para que não deixe ficar um só dia da semana sem recolher aquele lixo, pois não gestão passada nós cobrávamos aqui, que ficava muito a desejar. Nestes três meses a prefeitura nunca deixou de recolher o lixo.”

Sobre a merenda escolar, Taninha discorreu: “Acho que não teve um vereador para cobrar no ano passado mais do que eu. Cheguei atá acionar o Ministério Público. Porque as aulas estavam da mesma forma que estavam hoje, remotas e sem a entrega de merendas. Sendo que só feita uma entrega durante todo a o ano passado (2020). Estamos apenas com um mês de aula e tenho certeza que o prefeito, como a secretária de Educação tem o compromisso e a responsabilidade de fazer esta distribuição. Até porque é direito do aluno”, afirmou.

A vereadora falou sobre a reportagem da Band: “Eu me emocionei quando via Patos na Bandeirantes. Se para alguns não foi motivo de alegria, mas para mim foi. Naquele momento não havia nenhum casos da Covid-19 no nosso município”.

Taninha falou sobre uma notificação que a Secretaria de Saúde recebeu: “Foi referente a duas funcionárias de clínica privada. A única clínica privada que nós temos aqui é a do Dr. Ari. Três funcionárias dele tomaram a vacina. Até porque foi a regional de Paulistana que orienta o pessoal da vacina e disseram que elas tinha direito. Denunciaram duas, até deixaram de denunciar uma terceira. Duas por coincidência votaram na gestão e a outra contra. A secretaria de Saúde recebeu uma notificação do Ministério Público sobre como estava esse procedimento. Entramos em contato com Sâmia da regional de Paulistana, e ela está providenciando uma declaração para que o Ministério Público fique sabendo, como todos, que quem trabalha na saúde em empresa privada também tem direito a  vacina”, concluiu.

Mais fotos da sessão:

Por Portal Saiba Mais

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *