Companheiro de mulher que teve velório interrompido no Piauí pela polícia presta depoimento

O companheiro de Marlene Francisca da Silva, de 59 anos, que teve o velório interrompido após os filhos perceberem supostas marcas de agressão no corpo da mãe, prestou depoimento na tarde desta quinta-feira (16) na Delegacia de Cocal. A Polícia Civil informou que ele se apresentou espontaneamente na delegacia, mas não deu detalhes do que ele relatou à investigação.

De acordo com o delegado Herbster Santos, que está conduzindo a investigação, ainda é cedo para dizer o que causou a morte de Marlene. “Não sabemos se foi morte natural ou morte por intervenção. Não temos o laudo ainda, no momento tudo é prematuro”, disse ao Cidadeverde.com.

A mulher morreu nesta quarta-feira (15) e, durante o velório, filhos procuraram a polícia ao perceber marcas de agressão no corpo da mãe. O Instituto de Medicina Legal (IML) retirou o corpo da casa onde ela morava com o companheiro para produzir o laudo cadavérico e apontar se de fato houve agressão e se isso provocou a morte.

Segundo informações, o companheiro da mulher havia dito, em um primeiro momento, que ela morreu de causas naturais. Para a polícia, apenas o laudo cadavérico poderá apontar o que de fato aconteceu. Sobre o prazo de quando o laudo deverá sair, o delegado Herbert acredita que não deverá demorar. “Acredito que sairá bem breve por causa da urgência que o caso requer”, explicou.

Leia mais: Polícia interrompe velório de mulher após família verificar sinais de agressão no corpo da vítima.

Fonte: Roberto Araujo/Cidade Verde


WhatsApp do Portal Saiba Mais: (89) 9 9922-3229 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Portal Saiba Mais