MP pede à Justiça que obrigue instalação imediata de novos leitos de UTI no Piauí

O órgão entrou com ação civil pública contra a Fundação Municipal de Saúde e a Secretaria de Estado da Saúde.

O Ministério Público do Piauí (MP-PI) ingressou com uma ação civil pública, na Justiça, contra a Fundação Municipal de Saúde (FMS) de Teresina e a Secretaria de Estado da Saúde (Sesapi), pedindo uma medida liminar que obrigue os órgãos a dedicarem mais recursos para instalação ‘imediata’ de novos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Procuradas pelo G1, a FMS ainda não se manifestou sobre a ação e a Sesapi afirmou que não foi notificada, até o momento.

De acordo com o órgão, em agosto de 2020, no ‘auge da primeira onda da Covid-19’, a rede pública chegou a contar com 335 leitos de UTI e que, atualmente, conta com 252. O MP quer que o quantitativo volte ao que estava disponível no ano passado.

Além disso, a ação pede que esses leitos permaneçam ativos enquanto durar o estado de calamidade pública em decorrência da pandemia. O processo foi protocolado, na quarta-feira (4), na 1ª Vara dos Feitos da Fazenda Pública da Comarca de Teresina.

Aluguel de leitos na rede privada

Um dos motivos para o número reduzido de leitos alegado pelas autoridades de saúde é o fato de que os hospitais privados, durante o auge da pandemia em 2020, alugavam leitos de UTI para o Estado. Em 2021, as autoridades afirmam que estão tendo dificuldades em alugar novamente esses leitos.

Em agosto de 2020, quando o Estado contava ao todo com 335 leitos de UTI, trinta deles ficavam em hospitais particulares, alugados pelo Governo do Estado. Atualmente, nenhum desses leitos está alugado.

Por G1 PI

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *