Mulher usa bilhete para avisar a funcionário de banco que sofria violência

A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), investiga um homem suspeito de cometer os crimes de cárcere privado, violência física e psicológica , após uma mulher, de 27 anos, entregar um bilhete escrito em um estrato bancário informando sobre violência doméstica e pedindo socorro. O caso aconteceu no Distrito Federal. As informações são do iG.

“Você pode me ajudar? Ele está aí fora”, escreveu a mulher no papel de um extrato bancário. O funcinário que recebeu o bilhete relatou a situação e disse que “ela (vítima) estava nervosa, com medo e assustada”, contou funcionário que preferiu não se identificar.

Na tarde de segunda-feira (1°), o casal foi junto até a agência bancária de Sobradinho, para sacar o auxílio bolsa família. O servidor do banco disse que estava no caixa e que reagiu com surpresa no momento em que recebeu o bilhete. “Eu levei um susto na hora, li o que estava escrito e decidi manter a calma para saber o que podia fazer”, disse. Na mensagem, a jovem escreveu: “Você pode me ajudar? Ele está aí fora”. A mensagem veio acompanhada por um “X”, marca usada por vítimas de violência doméstica .

Com isso, o funcionário pediu para que a mulher escrevesse mais informações em um novo papel, com os seus dados pessoas. E lá ela informou que morava no Condomínio Mestre D’armas, em Planaltina.

“Se os policiais baterem, ele não vai atender. É para os policiais insistirem, pois ele vai fingir que não está em casa. Não posso passar telefone. Ele pode atender”, finalizou a vítima, na mensagem. Devido à pandemia, apenas uma pessoa pode entrar na agência. O servidor conta que o homem estava do lado de fora da agência, esperando pela mulher. “O celular dela não parava de tocar. Na linha, uma pessoa perguntava se ela já tinha sido atendida, provavelmente era ele. E ela estava muito nervosa e assustada”, conta.

Fonte: Último Segundo – iG @ https://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2021-03-04/df-mulher-usa-bilhete-para-avisar-a-funcionario-de-banco-que-sofria-violencia.html

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *