Prefeito de União exonera secretário de Educação após investigação da PF

Em nota, a Prefeitura unionense informou que exonerou o secretário para que ele se apresente às autoridades e faça sua defesa. Prefeito instalou comissão para supervisionar atos licitatórios.

 O prefeito Paulo Henrique (PSD) anunciou nesta terça-feira (12) a exoneração do secretário municipal de Educação de União, Marcone Martins, em virtude da investigação da Polícia Federal sobre fraudes na compra de material didático pelo órgão e o superfaturamento dos contratos firmados com recursos do Fundeb. 


 

A ação da PF culminou na prisão de um membro do Legislativo Municipal de União e também na detenção de empresários responsáveis pelo fornecimento do material fraudado. As investigações se iniciaram após a Polícia Militar apreender um montante de R$ 379 mil em poder de servidores da prefeitura de União dentro de um carro alugado pelo poder público.

O anúncio da exoneração de Marcone Martins foi feito por meio de nota oficial da Prefeitura unionense. “A Prefeitura de União, em face à operação realizada nesta manhã pela Polícia Federal, denominada Delivery (…) vem informar que ainda ontem (11), por ordem do prefeito Paulo Henrique, exonerou o então secretário de Educação do município (…) em virtude do mesmo ter se tornado alvo principal de denúncias de desvio de recursos originários supostamente de licitação e compra de material didático”.


O prefeito de União, Paulo Henrique, anunciou exonerou o secretário Marcone Martins para que ele se apresentasse às autoridades – Foto: Assis Fernandes/O Dia

Na nota, a Prefeitura unionense destacou que a exoneração se deu justamente “para que o secretário [Marcone Martins] se apresentasse às autoridades policiais e judiciais e apresentasse sua defesa”.

O Executivo Municipal de União lamentou o ocorrido e disse esperar que todos os fatos sejam devidamente esclarecidos. “O prefeito Paulo Henrique orientou toda a sua equipe a se colocar à disposição das autoridades e se antecipar a prestar esclarecimentos sobre todos os demais atos licitatórios realizados no município”, diz a nota.

Prefeitura instaurou comissão para supervisionar atos

Em face da investigação da Polícia Federal, a Prefeitura de União anunciou que instituiu uma comissão gestora para supervisionar todos os atos ordenadores de despesas do erário público para identificar eventuais falhas e corrigi-las. 

Veja a nota na íntegra:

A PREFEITURA DE UNIÃO, face a operação realizada no início desta manhã (12), pela Polícia Federal, denominada “Delivery”, onde foram cumpridos mandados de prisão, busca e condução  coercitiva, sob acusação de desvio de recursos do FUNDEB em nosso município, vem informar que ainda ontem (11), por ordem do prefeito Paulo Henrique, exonerou o então secretário de Educação do município, Marcone Martins, em virtude do mesmo ter se tornado o alvo principal de denúncias de desvio de recursos, originários, supostamente, de licitação e compra de material didático, justamente para que o mesmo se apresentasse às autoridades policiais e judiciais e apresentasse sua defesa. Quanto às prisões, a Prefeitura lamenta o ocorrido e espera que todos os fatos sejam devidamente esclarecidos. O prefeito Paulo Henrique orientou toda a sua equipe a se colocar a disposição das autoridades e se antecipar a prestar esclarecimentos sobre todos os demais atos licitatórios realizados no município. Ainda ontem (11), também foi instituída uma comissão gestora, com poderes de supervisionar todos os atos ordenadores de despesas do erário público, com objetivo de identificar eventuais falhas e corrigi-las. Ao tempo em que lamentamos o episódio desta manhã, pedimos a imprensa e população de União que tratem o fato com a seriedade e cuidado que merece, sem a antecipação de condenação de quaisquer pessoas, permitindo o uso político de forma inescrupulosa. 

Sem mais para o momento.

PREFEITURA DE UNIÃO

Ascom

Entenda

Na manhã de hoje, cinco pessoas foram presas em uma investigação da Polícia Federal contra o superfaturamento de contratos e fraudes na compra de livros didáticos pela Secretaria Municipal de Educação de União com recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, o Fundeb. Os prejuízos aos cofres públicos com o esquema chegaram a meio milhão de reais. Entre os presos estão um vereador da Câmara Municipal de União, servidores municipais e empresários.

Por: Maria Clara Estrêla/O Dia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *