Araújo nega hostilidade com China e presidente da CPI pede que ele não minta

Em depoimento à CPI da Covid, o ex-chanceler Ernesto Araújo negou nesta terça-feira que tenha feito declarações ofensivas em relação a China e ouviu do presidente da comissão, Omar Aziz (PSD-AM), um alerta para que não minta à CPI. Araújo afirmou que o Itamaraty reagiu em certos momentos em que teria havido, segundo ele, excessos por parte do embaixador da China em Brasília. “Mas não houve declaração que se classifique como antichinesa”, respondeu em questionamentos feitos pelo relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL), e Aziz.

Araújo também rejeitou a posição de que sua atuação e declarações no Itamaraty teriam relação com os problemas na chegada de insumos chineses para produção de vacina no Brasil. “Jamais foi identificado correlação entre atraso e qualquer atuação de minha parte ou de qualquer elemento oriundo do governo brasileiro”, respondeu o ex-chanceler.

As respostas despertaram indignação por parte do presidente da CPI, para quem Araújo deu “várias declarações contra a China. Um dos episódios relembrados por Aziz foi quando o ex-chanceler escreveu o artigo em seu blog intitulado ‘Chegou o Comunavírus’, em que fez comentários sobre um livro escrito por Slavoj Zizek.

“Na minha análise pessoal você está faltando com a verdade, não faça isso”, alertou o presidente da CPI. Araújo respondeu que, no artigo, a palavra ‘comunavírus’ não se referia ao coronavírus, mas ao que Zizek tinha referenciado ao vírus ideológico oportunizado pelo contexto da pandemia. “Para implantação de sociedade comunista global, usei esse termo jocoso…”, comentou Araújo.

“Como isso não é ofensivo?” questionou Aziz, lembrando também da ocasião em que Itamaraty se envolveu em outro episódio de atrito com a China a partir de uma declaração do deputado federal Eduardo Bolsonaro, filho do presidente, que publicou no Twitter uma mensagem que culpava o país asiático pela pandemia. Na ocasião, o perfil da Embaixada chinesa na rede social reclamou da manifestação do deputado e disse que ele havia contraído “vírus mental”. Araújo então classificou a reação da embaixada como “desproporcional”.

“Não sai em defesa (de Eduardo). Na nota que publiquei como chanceler eu disse que o Brasil não endossava declarações, no entanto o embaixador tinha se excedido”, disse.

Apesar dessas situações, o ex-chanceler negou que tenha havido hostilidade nas relações com a China. “Não vejo hostilidade, certamente não de minha parte”, disse Araújo, citando dados de negociações comerciais que, segundo ele, mostram que não houve piora na relação diplomática entre os dois países. “Números de 2020 mostraram aumento de 9% das nossas exportações destinadas a China”, afirmou.

‘Bolsonarismo frouxo’

O líder da Minoria na Câmara, deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ), avaliou a postura do ex-ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo no depoimento na CPI da Covid. Para Freixo, o comportamento do ex-chanceler na comissão “é o retrato do bolsonarismo frouxo que só fala grosso no cercadinho dos fanáticos”.

Em publicação no Twitter, o deputado analisa que “a ficha corrida dos crimes cometidos” pelo ex-chanceler “é longa e o ex-ministro tem que pagar por eles”. “Mas assim como Pazuello era pau mandado de Bolsonaro, Ernesto seguia as ordens de Eduardo Bolsonaro”, pontua. Dessa forma, Freixo exige que o filho do presidente Jair Bolsonaro seja convocado para prestar depoimento na CPI.

Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) é acusado de escrever em suas redes sociais que a China seria a culpada pela pandemia do novo coronavírus, além de acusar o país asiático de espionagem por meio da tecnologia 5G.

Estadão Conteúdo

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *