Idosa de 102 venceu gripe espanhola, câncer e agora Covid

Superpoderosa! Uma senhora de 102 anos, apaixonada por vinho tinto, coleciona vitórias e mostra que tem saúde de ferro. Mildred Geraldine Schappals venceu a gripe espanhola, depois o câncer – duas vezes – e agora a Covid-19.

A norte-americana primeiro venceu o vírus influenza, causador da gripe espanhola, em 1918.

Mais tarde, a aposentada enfrentou o câncer duas vezes e superou a doença. E recentemente, Mildred Geraldine teve febre alta, testou positivo para o novo coronavírus e também conseguiu se recuperar.

Gripe espanhola

Nascida em 18 de janeiro de 1918, em Worcester, Massachusetts, Mildred Schappals foi contaminada pelo influenza quando tinha 11 meses e ficou em estado grave.

Os médicos temiam que ela e a mãe morressem, mas a aposentada disse ao jornal Washington Post que a família sobreviveu.

“Eu realmente acho que ter a gripe de 1918 fortaleceu tudo em mim. Eu nunca tive resfriados ou doenças até ter câncer, e mesmo assim eu consegui. É isso ou a Mãe Natureza pensa que eu morri em 1918, então ela me ignora”, brincou Schappals.

Câncer

No fim dos anos 1980, Schappals foi diagnosticada com câncer de mama. Teve que passar por uma mastectomia e sessões de radioterapia. Ela venceu a doença, mas alguns anos depois, os médicos diagnosticaram um câncer de cólon. Depois de ser submetida a uma cirurgia, Schappals conseguiu se curar.

Em maio deste ano, Schappals ficou doente por alguns dias, teve febre alta e procurou um hospital de Nashua, New Hampshire, cidade onde mora.

Covid

O exame deu positivo para Covid-19 e deixou a família preocupada pela idade de Mildred.

“Achei que isso provavelmente seria um pouco demais para alguém com 102 anos, e que isso provavelmente a levaria”, disse a filha da aposentada, a advogada Julia Schappals, de 68 anos.

Mas a mulher centenária provou mais uma vez que é forte.

“Eu diria que ela é uma amazona!”, afirmou a filha.

Vinho tinto

Professora aposentada, ela foi casada com Everett Schappals, que atuou na Marinha durante a Segunda Guerra Mundial, teve duas filhas, Julia e Jade, três netos e seis bisnetos. Dona Mildred ficou viúva em 1983.

A neta contou ao Washington Post, que a longevidade da idosa se deve a um forte sistema imunológico, ao fato de evitar preocupações excessivas e incluiu o amor dela pelo vinho tinto.

“Jesus não transformou água em vinho para eu olhá-lo”, brincou Mildred.

Com informações da Época

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *