“Questão de honra”, diz enfermeiro que venceu a covid e vai coordenar hospital de campanha em Teresina

Enfermeiro há 12 anos, o piauiense Valério Azevedo, 36 anos, foi diagnosticado com Covid-19 no mês de março e, curado, irá coordenar a equipe de enfermagem no hospital de campanha Pedro Balzi, em Teresina. 

“Sou um sobrevivente da Covid-19 e aceitei o desafio de ser um dos coordenadores dessa unidade. Vencer essa doença agora é questão de honra”, contou Valério que é enfermeiro do Samu e trabalha no pronto atendimento do Hospital de Urgência de Teresina (HUT).

O enfermeiro já estava longe da família antes do início da pandemia que já soma 47 dias de distância entre ele e a esposa grávida e sua filha de dois anos e sete meses. 

“Sempre foi uma terapia, meu trabalho sempre foi uma missão: eu ter passado por essa doença e estar vendo o mundo passando por isso. Sinto em uma posição de honra poder defender o meu país, o meu estado. Ser um soldado que está lutando contra esse vírus”, conta Valério. 

O enfermeiro, que é natural de Floriano, a 247 Km ao Sul de Teresina, vai ser o coordenador de Enfermagem do hospital de campanha instalado no Centro de Treinamento de Badminton da Universidade Federal, que contará com 500 profissionais escalados para garantir o funcionamento de 84 leitos de internação e dois de estabilização.

Na fase final da gravidez, a esposa de Valério está esperando um menino. “Serei pai de um rapaz que vai se chamar Valentim. Já vai nascer valente, em plena época de pandemia”, disse o enfermeiro que voltou à universidade para cursar medicina. 


Esposa e filha do enfermeiro.

Inspiração desde criança

Valério Azevedo revela que sua inspiração para a Saúde veio desde cedo, da batalha dos pais. “Nasci com problemas de saúde em Floriano em uma época, em 1983, em que só tinha acesso ao serviço público quem tinha carteira assinada. Meus pais bravamente insistiram no meu tratamento e eu me recuperei, aos seis anos, sem sequelas. Fui crescendo com esse sonho de ser um trabalhador da saúde, sonho esse que graças a Deus, estou conseguindo realizar”, lembra.


Valério e os pais.

Infecção por Covid-19

O enfermeiro conta da tensão que foi passar pela Covid-19. “Foi um duplo desafio, não só físico como psicológico. Por ser uma doença relativamente nova, pouco conhecida pela medicina”.

Valério não chegou a ser internado, mas buscou um pronto-socorro após uma crise, foi medicado e seguiu o tratamento domiciliar, longe da mulher e da filha.

“Senti muita tosse, muita dor toráxica, dor na garganta. Não sentia o gosto dos alimentos, tive febre e falta de ar”, relembra.

Fonte: Valmir Macêdo/Cidadeverde.com

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *