Tebet chega à convenção do MDB sem vice e após enfrentar ala lulista

A senadora Simone Tebet (MS) chega nesta quarta-feira (27) à convenção do MDB que deve homologar seu nome como candidata à Presidência após enfrentar uma ofensiva da ala emedebista que apoia o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e sem a definição do vice na chapa.

Partido que também realiza convenção nesta quarta, o PSDB indicaria o companheiro de Tebet. O mais cotado até então era o senador Tasso Jereissati (CE). Ele, porém, sinalizou a aliados que pode rejeitar o papel.

Tucanos agora dizem que a definição sobre o vice vai ocorrer até sexta-feira (29).

O nome da senadora Eliziane Gama (MA), do Cidadania, legenda federada ao PSDB, começou a ser citado como alternativa por aliados da emedebista.

Nos últimos dias, emedebistas históricos tentaram de mais de uma forma adiar a reunião que deve confirmar o nome da senadora na disputa pelo Palácio do Planalto. Para isso, foram à Justiça em busca de mais tempo, mas tiveram o pedido negado pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Buscaram também o apoio do ex-presidente Michel Temer para engordar uma articulação que poderia rifar Tebet da eleição presidencial. Inicialmente, Temer endossou a ideia de adiar a convenção nacional. Após atritos públicos com a ex-presidente Dilma Roussef (PT), o emedebista recuou.

Agora, cardeais do MDB que apoiam Lula admitem que Tebet será confirmada candidata à Presidência avaliam inclusive faltar à reunião desta quarta para evitar votar contra a senadora.

A judicialização, na avaliação de integrantes do MDB, acabou favorecendo o discurso do grupo do presidente nacional do MDB, Baleia Rossi (SP).

Isso porque a peça foi assinada por um filiado, Hugo Wanderley Caju, que foi candidato a prefeito de Cacimbinhas (AL) em 2020. No entanto, não teve o endosso formal de nenhum dirigente estadual –nem o próprio Renan Calheiros, a quem Caju é ligado, colocou a digital do documento.

Caju argumentou que o formato da reunião virtual, por meio do aplicativo Zoom, violava o sigilo do voto. O ministro do TSE Mauro Campbell Marques, no entanto, entendeu que não era possível afirmar que o sigilo seria desrespeitado.

Baleia Rossi aposta em Simone Tebet para se contrapor à polarização dos dois líderes das pesquisas de intenção de voto, o ex-presidente Lula e o atual mandatário, Jair Bolsonaro (PL).

Baleia diz que a candidatura da senadora era mais uma das ações feitas desde 2019 para reposicionar o partido.

“A candidatura da Simone é resultado de todo esse processo de renovação democrática do MDB. Ela sempre foi emedebista, tem experiência no Executivo e no Legislativo e fez um grande trabalho no Senado”, afirmou.

A convenção desta quarta-feira está prevista para começar às 10h. A senadora deve falar e, na sequência, Baleia Rossi deve abrir a palavra para quem quiser se pronunciar. Os titulares poderão votar até 13h. Os suplentes, das 13h às 14h. Quem tiver direito a voto vai participar da convenção a partir de um link específico.

Para evitar que o nome de Tebet fosse rejeitado na convenção, Baleia se comprometeu a liberar os estados para fazerem campanha para o candidato que quiserem. Além da ala que apoia Lula, um grupo no MDB defende a candidatura de Jair Bolsonaro.

Não é só no MDB que o nome da senadora enfrenta resistência. O PSDB também tem divisões.

Em Minas, por exemplo, o diretório estadual sinalizou apoio ao pedetista Ciro Gomes. Em outra frente, os tucanos pressionam por uma definição emedebista em palanques importantes, sendo o Rio Grande do Sul prioritário.

A votação no MDB será acompanhada pelos tucanos para subsidiar uma definição sobre o vice.

Apesar da incerteza, o nome de Tebet deve ser aprovado na convenção da federação PSDB-Cidadania, que também ocorrerá nesta quarta-feira. Mesmo com as divergências, Simone Tebet deve ser aprovada sem surpresas no evento tucano. Nem mesmo o deputado federal Aécio Neves (PSDB-MG) votará contra o nome da senadora.

Em nota, Tasso afirmou ter sido um dos primeiros a manifestar entusiasmo com a candidatura da senadora.

“Acho uma candidatura preparadíssima, e ela é capaz de unir o Brasil. No entanto, a definição da vice depende de uma série de conversas e entendimentos internos de sentido político e eleitoral, em que o propósito final será encontrar aquilo que seja o melhor para a candidatura”, complementou.

O apoio de Tasso também é cobiçado pelo PT no Ceará, após o partido romper uma aliança com o PDT de Ciro Gomes por divergências em torno do candidato ao governo do estado.

O PT definiu o deputado estadual Elmano de Freitas como candidato ao Governo do Ceará. Agora, o partido trabalha para ampliar o arco de alianças, em um movimento que tende a esvaziar a base de apoio do ex-prefeito de Fortaleza Roberto Cláudio (PDT), candidato ao governo que vai liderar o palanque de Ciro Gomes em seu principal reduto eleitoral.

Petistas esperavam um encontro entre Lula e Tasso nesta quarta-feira em São Paulo, mas aliados do senador dizem que isso não deve ocorrer.

Diante da possibilidade de Tasso não ser o vice de Tebet, aliados da senadora passaram a mencionar o nome de Eliziane Gama, no que seria uma composição inédita no cenário eleitoral.

O nome de Eliziane já foi cotado para vice do então pré-candidato Sergio Moro e do ex-governador de São Paulo João Doria.

Fonte: Folhapress (Julia Chaib e Danielle Brant)

 

WhatsApp do Portal Saiba Mais: (89) 99922-3229

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.