Política

Aliados do governo estão divididos sobre a instalação da CPI dos atos extremistas

Petistas querem retirar assinaturas por entender que comissão não é prioridade do governo, mas lideranças defendem a instalação

A instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar os atos extremistas de 8 de janeiro não conta mais com o apelo dos principais aliados ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), mas ainda divide a base dentro do Congresso Nacional.

Enquanto petistas avaliam que a comissão perdeu o objeto com o avanço das análises e dos inquéritos no Judiciário, outros parlamentares que também defendem as pautas de governo querem que o Legislativo exerça o papel nas investigações.

Internamente, senadores próximos a Lula entendem que uma CPI, neste momento, serve apenas aos interesses da oposição. Para justificar o novo posicionamento, os parlamentares comentam o trabalho avançado do Judiciário nas investigações, fazendo um paralelo com a CPI da Covid-19.

“Temos mais de 700 mil mortos e ninguém está preso. O ato terrorista tem centenas de presos, alvos de ações penais, inquéritos”, sustenta o senador Fabiano Contarato (ES), líder do PT no Senado.

Contarato foi um dos 38 senadores a assinar o requerimento para abrir uma CPI sobre o tema. Agora, ele alega que o pedido de abertura já serviu ao propósito de fazer pressão política para exigir respostas rápidas por parte das instituições.

 

Por isso, pediu ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), que não instale os trabalhos “até que senadores possam retirar ou ratificar assinaturas”.Na mesma linha, o senador Rogério Carvalho (PT-SE) defende que o Congresso se concentre em outros temas, citando a reforma tributária. A perda de objeto da CPI também é argumento defendido por parlamentares fora do PT.

O senador Jayme Campos (União-MT) avalia que os crimes já estão sendo investigados pelos órgãos competentes. “Não seria razoável apresentar uma CPI se os órgãos de Segurança e a Justiça já estão apurando se houve vandalismo ou terrorismo”, afirma.

Apoio à CPI

Rodrigo Pacheco (PSD-MG), presidente do Senado, durante sessão no plenário

Rodrigo Pacheco (PSD-MG), presidente do Senado, durante sessão no plenário

EDILSON RODRIGUES/AGÊNCIA SENADO

Pacheco tem sido pressionado a abrir a CPI pela oposição e até mesmo por membros de partidos que integram a base. Apesar de continuar defendendo a viabilidade regimental, ainda pretende levar a discussão às lideranças para definir o “momento e conveniência” dos trabalhos.

Enquanto isso, a autora do requerimento para a CPI, senadora Soraya Thronicke (União-MS), entrou com um pedido junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) para que Pacheco seja obrigado a ler o pedido de instalação da comissão.

Dentro do próprio PT, ainda não foi fechada uma posição de bancada. O senador Humberto Costa (PT-PE) também espera orientação para se pronunciar.

Estamos aguardando uma decisão da bancada. Queremos, com CPI ou sem CPI, que os culpados pelo ataque à Democracia e aos Três Poderes sejam punidos.

PAULO PAIM, SENADOR (PT-RS)

Líder da maioria no Senado, Renan Calheiros (MDB-AL) tem sustentado a necessidade da instalação e apoio da base do governo. Para ele, também é papel do Legislativo conduzir as investigações, sobretudo, porque a instituição foi alvo dos ataques.

No início do ano legislativo, mesmo em meio às divergências sobre a necessidade da instalação, Calheiros defendeu que a abertura da CPI “é o melhor caminho”.

Junto à base, Calheiros articula que, caso os aliados de Lula se coloquem contra a instalação, a CPI pode servir como instrumento da oposição para colocar o governo federal no centro das discussões. “Até porque, quem não faz [CPI] leva”, disse, após a reeleição de Pacheco.

Comissão mista

Em meio à possibilidade de esvaziamento das adesões ao pedido de abertura da CPI no Senado, cresce a movimentação para a instalação de uma Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI), sugerida pelo deputado federal André Fernandes (PL-CE).

A proposta já possui adesão suficiente dos senadores e deputados. De acordo com o regimento comum do Congresso, uma vez requerida por um terço das Casas, a instauração de uma CPMI é automática. Não há nenhuma adesão por parte da federação que integra o PT.

Por que o Lula tem tanto medo de uma investigação? O que ele está escondendo? Por que sigilo nas câmeras do Palácio do Planalto no dia das invasões?

ANDRÉ FERNANDES, DEPUTADO FEDERAL (PL-CE)

Para Fernandes, não há, “absolutamente nenhuma assinatura dos deputados do PT, PSOL, PCdoB e cia”.

Além de Lula, o ministro da Justiça, Flávio Dino, defende que uma eventual CPI para investigar os atos extremistas ocorridos em 8 de janeiro, em Brasília, não tem funcionalidade, uma vez que há investigações no Poder Judiciário.

Um dos grandes articuladores a favor da CPMI, Marcos do Val (Podemos-ES) argumenta que a investigação é necessária para tirar o sigilo de documentos que, segundo ele, comprovam omissão por parte de Lula e do ministro da Justiça, Flávio Dino, quanto aos ataques extremistas de 8 de janeiro. “Não vou recuar. Meu objetivo é provar prevaricação dos ministros e do atual presidente da República”.

O senador Luis Heinze (PP-RS) pontua que a CPMI pode, inclusive, servir para avaliar prisões de extremistas.

O Brasil quer saber nome e sobrenome de todos os responsáveis. O Brasil tem hoje quase mil presos políticos, grande parte de forma arbitrária.

LUIS HEINZE, SENADOR (PP-RS)

A bancada do PL assinou, em peso, o requerimento para a CPMI. No entanto, ainda aguarda uma reunião de bancada para intensificar a pressão pelas investigações dentro do Congresso.

 

WhatsApp do Portal Saiba Mais: (89) 99922-3229

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Portal Saiba Mais